12 de jun de 2012

LANÇADA AGENDA COLÔMBIA-BRASIL NO RIO DE JANEIRO


A quarta feira 30 de maio realizou-se o lançamento oficial da Agenda Colômbia-Brasil no Rio de Janeiro, no centro cultural do Instituto de Advogados Brasileiros, onde participaram mais de 60 delegados/as de 24 organizações políticas, sociais e culturais, além de brasileiros/as e colombianos/as com interesse em conhecer sobre a realidade social colombiana, a proposta da Agenda Colômbia-Brasil e o processo da Marcha Patriótica.

Durante o evento apresentou-se uma introdução sobre a situação atual da Colômbia com respeito aos direitos humanos, a continuidade do governo de Santos Calderón com respeito ao Uribe Vélez em temas centrais desse país como a política econômica e o conflito sócio-político armado, e destacou-se a importância do acompanhamento internacional para o avanço num processo de resolução política do mesmo.

Houve intervenções de delegados de organizações que participaram do lançamento da Marcha Patriótica como movimento social e político, e que estão dispostos a construir Agenda Colômbia-Brasil no Rio de Janeiro, destacando a vitalidade do processo na Colômbia e a necessidade de apoiar as lutas nesse país; houve intervenções do público aportando na analise sobre a situação do conflito na Colômbia e a importância desse país na região continental, especialmente como possibilidade de entrada e ampliação do domínio político-econômico estadunidense; também realizou-se propostas concretas de participação na Cúpula dos Povos (15 ao 23 de junho), de fazer eventos e atividades nas favelas, escolas, e de chegar aos meios de comunicação alternativos da cidade e do estado, entre outros.

Nas palavras de alguns participantes do lançamento da Agenda Colômbia-Brasil:

“(…) a solução política do conflito com mudanças democráticas, políticas e econômicas, só é possível por meio da luta de massas, por isso saudamos a Marcha Patriótica (...) precisamos conquistar mais gente para a solidariedade com o povo colombiano (...) queremos que Agenda Colômbia seja o mais ampla possível, que todo mundo seja parte desta agenda”.
                         Iván Pinheiro – Partido Comunista Brasileiro

“(...) uma das tarefas que temos que fazer é acabar com esse bloqueio, com esse silencio que existe sobre o conflito social que se vive na Colômbia, temos que encontrar formas para que o povo brasileiro saiba realmente o que se passa lá (...) precisamos construir solidariedade em ações com o povo colombiano”.
Joba Alves – Movimento dos Trabalhadores Sem Terra

(...) A gente viu como esse processo da Marcha Patriótica está enraizado nas lutas sociais (...) a gente tem que o entender tal vez como o principal movimento de massas da América Latina, de resistência ao imperialismo e seu avanço no nosso continente (...) a gente vê que tem coisas muito parecidas entre a realidade colombiana y brasileira, como a criminalização das protestas sociais, estamos propondo que Agenda Colômbia logre visibilizar as lutas sociais que ocorrem no Brasil y na Colômbia”.
 Luís Maia – União da Juventud Comunista 

(…) não temos possibilidade nenhuma de avançar nas reivindicações sociais sem um processo amplo de democratização, o que implica a resolução política do conflito armado (...) esperamos que a Marcha Patriótica conflua num só processo de articulação com o Congresso dos povos, a Minga Social Indígena, o Polo Democrático Alternativo, porque é a única maneira de dar saída à situação do país”.
Juan Pablo Tapiro – Comitê pro-conselho patriótico da Colômbia no Brasil

O processo da Agenda Colômbia-Brasil já tem presença em Porto Alegre, Florianópolis, São Paulo, Goiás e Rio de Janeiro; é um instrumento para difundir a situação da Colômbia, especialmente no tema de direitos humanos, e para abrir canais de comunicação para que cada vez mais organizações brasileiras acompanhem os processos de luta social e política,  como a Marcha Patriótica; mas também é um instrumento para os colombianos colombianas conhecer mais do Brasil, da sua situação e suas lutas, para que materializemos a solidariedade dos povos. 

O evento fechou com rap combativo de Fiell e o Bonde da Cultura... e em coro todos cantamos:

Eu quero um mundo melhor, uma cidade melhor, um respeito maior, nós só queremos levar uma vida melhor

Vamos a derrubar o sistema, ele já vai cair, mas sem não empurrar, cai tudo mundo ali, vamos a derrubar o sistema, ele já vai cair, mas se não se organizar, não tem futuro


Agenda Colômbia-Brasil / Rio de Janeiro
A Solidariedade é dos Povos!

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. A verdade é que o rap combativo foi por parte de Visão da Favela Brasil, organização de hip hop, comunicação, cinema e cultura, que fica no morro Santa Marta, uma favela dentro deste movimento, pois achamos que é importante que as periferias de nossos países estejam inseridas nestes processos. E o Bonde da Cultura é da favela Jorge Turco, outra periferia deste Rio. Grande abraço!
    Natalia

    ResponderExcluir
  3. Companheira Natalia essa participação é muito importante como expressão cultural e popular e também porque isso faz que se tenha presente que a solidariedade que se procura construir de forma política é a solidariedade entre povos e não uma solidariedade burocratica. Um forte abraço e esperamos que segam juntos na construção do processo.

    ResponderExcluir